Qua05242017

Última atualizaçãoQua, 24 Mai 2017 6pm

Polícia

Rinha fechada

PM do Meio Ambiente

Local em Lagoa Dourada recebia participantes de todo Alto Paraopeba

Na tarde do último domingo dia (2/4), guarnições da Polícia Militar do Meio Ambiente compareceram à praça Dom Antônio de Assis, centro da cidade de Lagoa Dourada/MG, em atendimento de cumprimento ao mandado de busca e apreensão o qual determinava a busca e apreensão de qualquer instrumento que seja utilizado para a prática de rinha de galo e possível verificação de maus tratos aos animais. Após ser lido para o autor de 33 anos o contido no referido mandado, foram encontrados os seguintes materiais normalmente utilizados para rinha de galos índio:

61 esporas de plásticos;
03 biqueiras de borracha;
11 embolas; (tipo de carretel)
18 biqueiras em aço inox parte de cima;
12 biqueiras em aço inox parte de baixo.
44 aves da espécie galo índio
44 gaiolas de madeiras (box),
03 tesouras
02 frascos de plásticos contendo remédios cicatrizantes;
01 cronômetro de plástico;
02 agulhas em aço inox de sutura veterinária

Todas as aves estavam com possíveis intervenções cirúrgicas para modificações das cristas. Os materiais acima descritos ficam apreendidos. As aves ficaram sob a responsabilidade do autor, sendo que em cada uma receberam um lacre em uma das pernas ficando impossibilitado de utilizá-las para qualquer prática até prestação de esclarecimento junto à comarca da cidade São João Del Rei. Fontes não oficiais afirmaram que o local era frequentado por participante das cidade de C.Lafaiete, Congonhas e Ouro Branco.

Diante cometimento do crime ambiental previsto no artigo 32 da lei federal 9.605/98, pelos maus tratos provocados nos galos, bem como infringiu o disposto na lei estadual 22.231/2016 e no decreto-lei nº 24.645/1934 foi dada voz de prisão em flagrante delito ao autor.

Foto: PMMG / Imagens do local onde foi lavrado o termo circunstanciado de ocorrência